URGENT: Hurricane Dorian Victims Need Your Help

Salmos 35; Salmos 36; Atos 25

1 Contende, Senhor, com aqueles que contendem comigo; combate contra os que me combatem. 2 Pega do escudo e do pavês, e levanta-te em meu socorro. 3 Tira da lança e do dardo contra os que me perseguem. Dize � minha alma: Eu sou a tua salvação. 4 Sejam envergonhados e confundidos os que buscam a minha vida; voltem atrás e se confudam os que contra mim intentam o mal. 5 Sejam como a moinha diante do vento, e o anjo do Senhor os faça fugir. 6 Seja o seu caminho tenebroso e escorregadio, e o anjo do Senhor os persiga. 7 Pois sem causa me armaram ocultamente um laço; sem razão cavaram uma cova para a minha vida. 8 Sobrevenha-lhes inesperadamente a destruição, e prenda-os o laço que ocultaram; caiam eles nessa mesma destruição. 9 Então minha alma se regozijará no Senhor; exultará na sua salvação. 10 Todos os meus ossos dirão: Ó Senhor, quem é como tu, que livras o fraco daquele que é mais forte do que ele? sim, o pobre e o necessitado, daquele que o rouba. 11 Levantam-se testemunhas maliciosas; interrogam-me sobre coisas que eu ignoro. 12 Tornam-me o mal pelo bem, causando-me luto na alma. 13 Mas, quanto a mim, estando eles enfermos, vestia-me de cilício, humilhava-me com o jejum, e orava de cabeça sobre o peito. 14 Portava-me como o faria por meu amigo ou meu irmão; eu andava encurvado e lamentando-me, como quem chora por sua mãe. 15 Mas, quando eu tropeçava, eles se alegravam e se congregavam; congregavam-se contra mim, homens miseráveis que eu não conhecia; difamavam-me sem cessar. 16 Como hipócritas zombadores nas festas, rangiam os dentes contra mim. 17 Ó Senhor, até quando contemplarás isto? Livra-me das suas violências; salva a minha vida dos leões! 18 Então te darei graças na grande assembléia; entre muitíssimo povo te louvarei. 19 Não se alegrem sobre mim os que são meus inimigos sem razão, nem pisquem os olhos aqueles que me odeiam sem causa. 20 Pois não falaram de paz, antes inventam contra os quietos da terra palavras enganosas. 21 Escancararam contra mim a sua boca, e dizem: Ah! Ah! os nossos olhos o viram. 22 Tu, Senhor, o viste, não te cales; Senhor, não te alongues de mim. 23 Acorda e desperta para o meu julgamento, para a minha causa, Deus meu, e Senhor meu. 24 Justifica-me segundo a tua justiça, Senhor Deus meu, e não se regozijem eles sobre mim. 25 Não digam em seu coração: Eia! cumpriu-se o nosso desejo! Não digam: Nós o havemos devorado. 26 Envergonhem-se e confundam-se � uma os que se alegram com o meu mal; vistam-se de vergonha e de confusão os que se engrandecem contra mim. 27 Bradem de júbilo e se alegrem os que desejam a minha justificação, e digam a minha justificação, e digam continuamente: Seja engrandecido o Senhor, que se deleita na prosperidade do seu servo. 28 Então a minha língua falará da tua justiça e do teu louvor o dia todo.
1 A transgressão fala ao ímpio no íntimo do seu coração; não há temor de Deus perante os seus olhos. 2 Porque em seus próprios olhos se lisonjeia, cuidando que a sua iniqüidade não será descoberta e detestada. 3 As palavras da sua boca são malícia e engano; deixou de ser prudente e de fazer o bem. 4 Maquina o mal na sua cama; põe-se em caminho que não é bom; não odeia o mal. 5 A tua benignidade, Senhor, chega até os céus, e a tua fidelidade até as nuvens. 6 A tua justiça é como os montes de Deus, os teus juízos são como o abismo profundo. Tu, Senhor, preservas os homens e os animais. 7 Quão preciosa é, ó Deus, a tua benignidade! Os filhos dos homens se refugiam � sombra das tuas asas. 8 Eles se fartarão da gordura da tua casa, e os farás beber da corrente das tuas delícias; 9 pois em ti está o manancial da vida; na tua luz vemos a luz. 10 Continua a tua benignidade aos que te conhecem, e a tua justiça aos retos de coração. 11 Não venha sobre mim o pé da soberba, e não me mova a mão dos ímpios. 12 Ali caídos estão os que praticavam a iniqüidade; estão derrubados, e não se podem levantar.
1 Tendo, pois, entrado Festo na província, depois de três dias subiu de Cesaréia a Jerusalém. 2 E os principais sacerdotes e os mais eminentes judeus fizeram-lhe queixa contra Paulo e, em detrimento deste, 3 lhe rogavam o favor de o mandar a Jerusalém, armando ciladas para o matarem no caminho. 4 Mas Festo respondeu que Paulo estava detido em Cesaréia, e que ele mesmo brevemente partiria para lá. 5 Portanto - disse ele - as autoridades dentre vós desçam comigo e, se há nesse homem algum crime, acusem-no. 6 Tendo-se demorado entre eles não mais de oito ou dez dias, desceu a Cesaréia; e no dia seguinte, sentando-se no tribunal, mandou trazer Paulo. 7 Tendo ele comparecido, rodearam-no os judeus que haviam descido de Jerusalém, trazendo contra ele muitas e graves acusações, que não podiam provar. 8 Paulo, porém, respondeu em sua defesa: Nem contra a lei dos judeus, nem contra o templo, nem contra César, tenho pecado em coisa alguma. 9 Todavia Festo, querendo agradar aos judeus, respondendo a Paulo, disse: Queres subir a Jerusalém e ali ser julgado perante mim acerca destas coisas? 10 Mas Paulo disse: Estou perante o tribunal de César, onde devo ser julgado; nenhum mal fiz aos judeus, como muito bem sabes. 11 Se, pois, sou malfeitor e tenho cometido alguma coisa digna de morte, não recuso morrer; mas se nada há daquilo de que estes me acusam, ninguém me pode entregar a eles; apelo para César. 12 Então Festo, tendo falado com o conselho, respondeu: Apelaste para César; para César irás. 13 Passados alguns dias, o rei Agripa e Berenice vieram a Cesaréia em visita de saudação a Festo. 14 E, como se demorassem ali muitos dias, Festo expôs ao rei o caso de Paulo, dizendo: Há aqui certo homem que foi deixado preso por Félix, 15 a respeito do qual, quando estive em Jerusalém, os principais sacerdotes e os anciãos dos judeus me fizeram queixas, pedindo sentença contra ele; 16 aos quais respondi que não é costume dos romanos condenar homem algum sem que o acusado tenha presentes os seus acusadores e possa defender-se da acusação. 17 Quando então eles se haviam reunido aqui, sem me demorar, no dia seguinte sentei-me no tribunal e mandei trazer o homem; 18 contra o qual os acusadores, levantando-se, não apresentaram acusação alguma das coisas perversas que eu suspeitava; 19 tinham, porém, contra ele algumas questões acerca da sua religião e de um tal Jesus defunto, que Paulo afirmava estar vivo. 20 E, estando eu perplexo quanto ao modo de investigar estas coisas, perguntei se não queria ir a Jerusalém e ali ser julgado no tocante �s mesmas. 21 Mas apelando Paulo para que fosse reservado ao julgamento do imperador, mandei que fosse detido até que o enviasse a César. 22 Então Agripa disse a Festo: Eu bem quisera ouvir esse homem. Respondeu-lhe ele: Amanhã o ouvirás. 23 No dia seguinte vindo Agripa e Berenice, com muito aparato, entraram no auditório com os chefes militares e homens principais da cidade; então, por ordem de Festo, Paulo foi trazido. 24 Disse Festo: Rei Agripa e vós todos que estais presentes conosco, vedes este homem por causa de quem toda a multidão dos judeus, tanto em Jerusalém como aqui, recorreu a mim, clamando que não convinha que ele vivesse mais. 25 Eu, porém, achei que ele não havia praticado coisa alguma digna de morte; mas havendo ele apelado para o imperador, resolvi remeter-lho. 26 Do qual não tenho coisa certa que escreva a meu senhor, e por isso perante vós o trouxe, principalmente perante ti, ó rei Agripa, para que, depois de feito o interrogatório, tenha eu alguma coisa que escrever. 27 Porque não me parece razoável enviar um preso, e não notificar as acusações que há contra ele.