Salmos 84; Salmos 85; Salmos 86; Romanos 12

1 Quão amável são os teus tabernáculos, ó Senhor dos exércitos! 2 A minha alma suspira! sim, desfalece pelos átrios do Senhor; o meu coração e a minha carne clamam pelo Deus vivo. 3 Até o pardal encontrou casa, e a andorinha ninho para si, onde crie os seus filhotes, junto aos teus altares, ó Senhor dos exércitos, Rei meu e Deus meu. 4 Bem-aventurados os que habitam em tua casa; louvar-te-ão continuamente. 5 Bem-aventurados os homens cuja força está em ti, em cujo coração os caminhos altos. 6 Passando pelo vale de Baca, fazem dele um lugar de fontes; e a primeira chuva o cobre de bênçãos. 7 Vão sempre aumentando de força; cada um deles aparece perante Deus em Sião. 8 Senhor Deus dos exércitos, escuta a minha oração; inclina os ouvidos, ó Deus de Jacó! 9 Olha, ó Deus, escudo nosso, e contempla o rosto do teu ungido. 10 Porque vale mais um dia nos teus átrios do que em outra parte mil. Preferiria estar � porta da casa do meu Deus, a habitar nas tendas da perversidade. 11 Porquanto o Senhor Deus é sol e escudo; o Senhor dará graça e glória; não negará bem algum aos que andam na retidão. 12 Ó Senhor dos exércitos, bem-aventurado o homem que em ti põe a sua confiança.
1 Mostraste favor, Senhor, � tua terra; fizeste regressar os cativos de Jacó. 2 Perdoaste a iniqüidade do teu povo; cobriste todos os seus pecados. 3 Retraíste toda a tua cólera; refreaste o ardor da tua ira. 4 Restabelece-nos, ó Deus da nossa salvação, e faze cessar a tua indignação contra nós. 5 Estarás para sempre irado contra nós? estenderás a tua ira a todas as gerações? 6 Não tornarás a vivificar-nos, para que o teu povo se regozije em ti? 7 Mostra-nos, Senhor, a tua benignidade, e concede-nos a tua salvação. 8 Escutarei o que Deus, o Senhor, disser; porque falará de paz ao seu povo, e aos seus santos, contanto que não voltem � insensatez. 9 Certamente que a sua salvação está perto aqueles que o temem, para que a glória habite em nossa terra. 10 A benignidade e a fidelidade se encontraram; a justiça e a paz se beijaram. 11 A fidelidade brota da terra, e a justiça olha desde o céu. 12 O Senhor dará o que é bom, e a nossa terra produzirá o seu fruto. 13 A justiça irá adiante dele, marcando o caminho com as suas pegadas.
1 Inclina, Senhor, os teus ouvidos, e ouve-me, porque sou pobre e necessitado. 2 Preserva a minha vida, pois sou piedoso; o Deus meu, salva o teu servo, que em ti confia. 3 Compadece-te de mim, ó Senhor, pois a ti clamo o dia todo. 4 Alegra a alma do teu servo, pois a ti, Senhor, elevo a minha alma. 5 Porque tu, Senhor, és bom, e pronto a perdoar, e abundante em benignidade para com todos os que te invocam. 6 Dá ouvidos, Senhor, � minha oração, e atende � voz das minhas súplicas. 7 No dia da minha angústia clamo a ti, porque tu me respondes. 8 Entre os deuses nenhum há semelhante a ti, Senhor, nem há obras como as tuas. 9 Todas as nações que fizeste virão e se prostrarão diante de ti, Senhor, e glorificarão o teu nome. 10 Ensina-me, Senhor, o teu caminho, e andarei na tua verdade; dispõe o meu coração para temer o teu nome. 11 Louvar-te-ei, Senhor Deus meu, de todo o meu coração, e glorificarei o teu nome para sempre. 12 Pois grande é a tua benignidade para comigo, e livraste a minha alma das profundezas do Seol. 13 Pois grande é a tua benignidade para comigo, e livraste a minha alma das profundezas do Seol. 14 Ó Deus, os soberbos têm-se levantado contra mim, e um bando de homens violentos procura tirar-me a vida; eles não te puseram diante dos seus olhos. 15 Mas tu, Senhor, és um Deus compassivo e benigno, longânimo, e abundante em graça e em fidelidade. 16 Volta-te para mim, e compadece-te de mim; dá a tua força ao teu servo, e a salva o filho da tua serva. 17 Mostra-me um sinal do teu favor, para que o vejam aqueles que me odeiam, e sejam envergonhados, por me haveres tu, Senhor, ajuntado e confortado.
1 Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. 2 E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. 3 Porque pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não tenha de si mesmo mais alto conceito do que convém; mas que pense de si sobriamente, conforme a medida da fé que Deus, repartiu a cada um. 4 Pois assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma função, 5 assim nós, embora muitos, somos um só corpo em Cristo, e individualmente uns dos outros. 6 De modo que, tendo diferentes dons segundo a graça que nos foi dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; 7 se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; 8 ou que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com zelo; o que usa de misericórdia, com alegria. 9 O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem. 10 Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros; 11 não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor; 12 alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração; 13 acudi aos santos nas suas necessidades, exercei a hospitalidade; 14 abençoai aos que vos perseguem; abençoai, e não amaldiçoeis; 15 alegrai-vos com os que se alegram; chorai com os que choram; 16 sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altivas mas acomodai-vos �s humildes; não sejais sábios aos vossos olhos; 17 a ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas dignas, perante todos os homens. 18 Se for possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens. 19 Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar � ira de Deus, porque está escrito: Minha é a vingança, eu retribuirei, diz o Senhor. 20 Antes, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. 21 Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.