1 Elevo os meus olhos para os montes; de onde me vem o socorro? 2 O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra. 3 Não deixará vacilar o teu pé; aquele que te guarda não dormitará. 4 Eis que não dormitará nem dormirá aquele que guarda a Israel. 5 O Senhor é quem te guarda; o Senhor é a tua sombra � tua mão direita. 6 De dia o sol não te ferirá, nem a lua de noite. 7 O Senhor te guardará de todo o mal; ele guardará a tua vida. 8 O Senhor guardará a tua saída e a tua entrada, desde agora e para sempre.
1 A ti levanto os meus olhos, ó tu que estás entronizado nos céus. 2 Eis que assim como os olhos dos servos atentam para a mão do seu senhor, e os olhos da serva para a mão de sua senhora, assim os nossos olhos atentam para o Senhor nosso Deus, até que ele se compadeça de nós. 3 Compadece-te de nós, ó Senhor, compadece-te de nós, pois estamos sobremodo fartos de desprezo. 4 A nossa alma está sobremodo farta da zomabaria dos arrogantes, e do desprezo dos soberbos.
1 Se não fora o Senhor, que esteve ao nosso lado, ora diga Israel: 2 Se não fora o Senhor, que esteve ao nosso lado, quando os homens se levantaram contra nós, 3 eles nos teriam tragado vivos, quando a sua ira se acendeu contra nós; 4 as águas nos teriam submergido, e a torrente teria passado sobre nós; 5 sim, as águas impetuosas teriam passado sobre nós. 6 Bendito seja o Senhor, que não nos entregou, como presa, aos dentes deles. 7 Escapamos, como um pássaro, do laço dos passarinheiros; o laço quebrou-se, e nós escapamos. 8 O nosso socorro está no nome do Senhor, que fez os céus e a terra.
1 Aqueles que confiam no Senhor são como o monte Sião, que não pode ser abalado, mas permanece para sempre. 2 Como estão os montes ao redor de Jerusalém, assim o Senhor está ao redor do seu povo, desde agora e para sempre. 3 Porque o cetro da impiedade não repousará sobre a sorte dos justos, para que os justos não estendam as suas mãos para cometer a iniqüidade. 4 Faze o bem, ó Senhor, aos bons e aos que são retos de coração. 5 Mas aos que se desviam para os seus caminhos tortuosos, levá-los-á o Senhor juntamente com os que praticam a maldade. Que haja paz sobre Israel.
1 Bem-aventurado todo aquele que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos. 2 Pois comerás do trabalho das tuas mãos; feliz serás, e te irá bem. 3 A tua mulher será como a videira frutífera, no interior da tua casa; os teus filhos como plantas de oliveira, ao redor da tua mesa. 4 Eis que assim será abençoado o homem que teme ao Senhor. 5 De Sião o Senhor te abençoará; verás a prosperidade de Jerusalém por todos os dias da tua vida, 6 e verás os filhos de teus filhos. A paz seja sobre Israel.
1 Gravemente me angustiaram desde a minha mocidade, diga agora Israel; 2 gravemente me angustiaram desde a minha mocidade, todavia não prevaleceram contra mim. 3 Os lavradores araram sobre as minhas costas; compridos fizeram os seus sulcos. 4 O Senhor é justo; ele corta as cordas dos ímpios. 5 Sejam envergonhados e repelidos para trás todos os que odeiam a Sião. 6 Sejam como a erva dos telhados, que seca antes de florescer; 7 com a qual o segador não enche a mão, nem o regaço o que ata os feixes; 8 nem dizem os que passam: A bênção do Senhor seja sobre vós; nós vos abençoamos em nome do Senhor.
1 Das profundezas clamo a ti, ó Senhor. 2 Senhor, escuta a minha voz; estejam os teus ouvidos atentos � voz das minhas súplicas. 3 Se tu, Senhor, observares as iniqüidades, Senhor, quem subsistirá? 4 Mas contigo está o perdão, para que sejas temido. 5 Aguardo ao Senhor; a minha alma o aguarda, e espero na sua palavra. 6 A minha alma anseia pelo Senhor, mais do que os guardas pelo romper da manhã, sim, mais do que os guardas pela manhã. 7 Espera, ó Israel, no Senhor! pois com o Senhor há benignidade, e com ele há copiosa redenção; 8 e ele remirá a Israel de todas as suas iniqüidades.