Salmos 29; Salmos 30; Atos 23:1-15

1 Tributai ao Senhor, ó filhos dos poderosos, tributai ao Senhor glória e força. 2 Tributai ao Senhor a glória devida ao seu nome; adorai o Senhor vestidos de trajes santos. 3 A voz do Senhor ouve-se sobre as águas; o Deus da glória troveja; o Senhor está sobre as muitas águas. 4 A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é cheia de majestade. 5 A voz do Senhor quebra os cedros; sim, o Senhor quebra os cedros do Líbano. 6 Ele faz o Líbano saltar como um bezerro; e Siriom, como um filhote de boi selvagem. 7 A voz do Senhor lança labaredas de fogo. 8 A voz do Senhor faz tremer o deserto; o Senhor faz tremer o deserto de Cades. 9 A voz do Senhor faz as corças dar � luz, e desnuda as florestas; e no seu templo todos dizem: Glória! 10 O Senhor está entronizado sobre o dilúvio; o Senhor se assenta como rei, perpetuamente. 11 O Senhor dará força ao seu povo; o Senhor abençoará o seu povo com paz.
1 Exaltar-te-ei, ó Senhor, porque tu me levantaste, e não permitiste que meus inimigos se alegrassem sobre mim. 2 Ó Senhor, Deus meu, a ti clamei, e tu me curaste. 3 Senhor, fizeste subir a minha alma do Seol, conservaste-me a vida, dentre os que descem � cova. 4 Cantai louvores ao Senhor, vós que sois seus santos, e louvai o seu santo nome. 5 Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite; pela manhã, porém, vem o cântico de júbilo. 6 Quanto a mim, dizia eu na minha prosperidade: Jamais serei abalado. 7 Tu, Senhor, pelo teu favor fizeste que a minha montanha permanecesse forte; ocultaste o teu rosto, e fiquei conturbado. 8 A ti, Senhor, clamei, e ao Senhor supliquei: 9 Que proveito haverá no meu sangue, se eu descer � cova? Porventura te louvará o pó? Anunciará ele a tua verdade? 10 Ouve, Senhor, e tem compaixão de mim! Ó Senhor, sê o meu ajudador! 11 Tornaste o meu pranto em regozijo, tiraste o meu cilício, e me cingiste de alegria; 12 para que a minha alma te cante louvores, e não se cale. Senhor, Deus meu, eu te louvarei para sempre.
1 Fitando Paulo os olhos no sinédrio, disse: Varões irmãos, até o dia de hoje tenho andado diante de Deus com toda a boa consciência. 2 Mas o sumo sacerdote, Ananias, mandou aos que estavam junto dele que o ferissem na boca. 3 Então Paulo lhe disse: Deus te ferirá a ti, parede branqueada; tu estás aí sentado para julgar-me segundo a lei, e contra a lei mandas que eu seja ferido? 4 Os que estavam ali disseram: Injurias o sumo sacerdote de Deus 5 Disse Paulo: Não sabia, irmãos, que era o sumo sacerdote; porque está escrito: Não dirás mal do príncipe do teu povo. 6 Sabendo Paulo que uma parte era de saduceus e outra de fariseus, clamou no sinédrio: Varões irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseus; é por causa da esperança da ressurreição dos mortos que estou sendo julgado. 7 Ora, dizendo ele isto, surgiu dissensão entre os fariseus e saduceus; e a multidão se dividiu. 8 Porque os saduceus dizem que não há ressurreição, nem anjo, nem espírito; mas os fariseus reconhecem uma e outra coisa. 9 Daí procedeu grande clamor; e levantando-se alguns da parte dos fariseus, altercavam, dizendo: Não achamos nenhum mal neste homem; e, quem sabe se lhe falou algum espírito ou anjo? 10 E avolumando-se a dissenção, o comandante, temendo que Paulo fosse por eles despedaçado, mandou que os soldados descessem e o tirassem do meio deles e o levassem para a fortaleza. 11 Na noite seguinte, apresentou-se-lhe o Senhor e disse: Tem bom ânimo: porque, como deste testemunho de mim em Jerusalém, assim importa que o dês também em Roma. 12 Quando já era dia, coligaram-se os judeus e juraram sob pena de maldição que não comeriam nem beberiam enquanto não matassem a Paulo. 13 Eram mais de quarenta os que fizeram esta conjuração; 14 e estes foram ter com os principais sacerdotes e anciãos, e disseram: Conjuramo-nos sob pena de maldição a não provarmos coisa alguma até que matemos a Paulo 15 Agora, pois, vós, com o sinédrio, rogai ao comandante que o mande descer perante vós como se houvésseis de examinar com mais precisão a sua causa; e nós estamos prontos para matá-lo antes que ele chegue.