Salmos 77; Salmos 78; Romanos 10

1 Levanto a Deus a minha voz; a Deus levanto a minha voz, para que ele me ouça. 2 No dia da minha angústia busco ao Senhor; de noite a minha mão fica estendida e não se cansa; a minha alma recusa ser consolada. 3 Lembro-me de Deus, e me lamento; queixo-me, e o meu espírito desfalece. 4 Conservas vigilantes os meus olhos; estou tão perturbado que não posso falar. 5 Considero os dias da antigüidade, os anos dos tempos passados. 6 De noite lembro-me do meu cântico; consulto com o meu coração, e examino o meu espírito. 7 Rejeitará o Senhor para sempre e não tornará a ser favorável? 8 Cessou para sempre a sua benignidade? Acabou-se a sua promessa para todas as gerações 9 Esqueceu-se Deus de ser compassivo? Ou na sua ira encerrou ele as suas ternas misericórdias? 10 E eu digo: Isto é minha enfermidade; acaso se mudou a destra do Altíssimo? 11 Recordarei os feitos do Senhor; sim, me lembrarei das tuas maravilhas da antigüidade. 12 Meditarei também em todas as tuas obras, e ponderarei os teus feitos poderosos 13 O teu caminho, ó Deus, é em santidade; que deus é grande como o nosso Deus? 14 Tu és o Deus que fazes maravilhas; tu tens feito notória a tua força entre os povos. 15 Com o teu braço remiste o teu povo, os filhos de Jacó e de José. 16 As águas te viram, ó Deus, as águas te viram, e tremeram; os abismos também se abalaram. 17 As nuvens desfizeram-se em água; os céus retumbaram; as tuas flechas também correram de uma para outra parte. 18 A voz do teu trovão estava no redemoinho; os relâmpagos alumiaram o mundo; a terra se abalou e tremeu. 19 Pelo mar foi teu caminho, e tuas veredas pelas grandes águas; e as tuas pegadas não foram conhecidas. 20 Guiaste o teu povo, como a um rebanho, pela mão de Moisés e de Arão.
1 Escutai o meu ensino, povo meu; inclinai os vossos ouvidos �s palavras da minha boca. 2 Abrirei a minha boca numa parábola; proporei enigmas da antigüidade, 3 coisas que temos ouvido e sabido, e que nossos pais nos têm contado. 4 Não os encobriremos aos seus filhos, cantaremos �s gerações vindouras os louvores do Senhor, assim como a sua força e as maravilhas que tem feito. 5 Porque ele estabeleceu um testemunho em Jacó, e instituiu uma lei em Israel, as quais coisas ordenou aos nossos pais que as ensinassem a seus filhos; 6 para que as soubesse a geração vindoura, os filhos que houvesse de nascer, os quais se levantassem e as contassem a seus filhos, 7 a fim de que pusessem em Deus a sua esperança, e não se esquecessem das obras de Deus, mas guardassem os seus mandamentos; 8 e que não fossem como seus pais, geração contumaz e rebelde, geração de coração instável, cujo espírito não foi fiel para com Deus. 9 Os filhos de Efraim, armados de arcos, retrocederam no dia da peleja. 10 Não guardaram o pacto de Deus, e recusaram andar na sua lei; 11 esqueceram-se das suas obras e das maravilhas que lhes fizera ver. 12 Maravilhas fez ele � vista de seus pais na terra do Egito, no campo de Zoá. 13 Dividiu o mar, e os fez passar por ele; fez com que as águas parassem como um montão. 14 Também os guiou de dia por uma nuvem, e a noite toda por um clarão de fogo. 15 Fendeu rochas no deserto, e deu-lhes de beber abundantemente como de grandes abismos. 16 Da penha fez sair fontes, e fez correr águas como rios. 17 Todavia ainda prosseguiram em pecar contra ele, rebelando-se contra o Altíssimo no deserto. 18 E tentaram a Deus nos seus corações, pedindo comida segundo o seu apetite. 19 Também falaram contra Deus, dizendo: Poderá Deus porventura preparar uma mesa no deserto? Acaso fornecerá carne para o seu povo? 20 Pelo que o Senhor, quando os ouviu, se indignou; e acendeu um fogo contra Jacó, e a sua ira subiu contra Israel; 21 Pelo que o Senhor, quando os ouviu, se indignou; e acendeu um fogo contra Jacó, e a sua ira subiu contra Israel; 22 porque não creram em Deus nem confiaram na sua salvação. 23 Contudo ele ordenou �s nuvens lá em cima, e abriu as portas dos céus; 24 fez chover sobre eles maná para comerem, e deu-lhes do trigo dos céus. 25 Cada um comeu o pão dos poderosos; ele lhes mandou comida em abundância. 26 Fez soprar nos céus o vento do oriente, e pelo seu poder trouxe o vento sul. 27 Sobre eles fez também chover carne como poeira, e aves de asas como a areia do mar; 28 e as fez cair no meio do arraial deles, ao redor de suas habitações. 29 Então comeram e se fartaram bem, pois ele lhes trouxe o que cobiçavam. 30 Não refrearam a sua cobiça. Ainda lhes estava a comida na boca, 31 quando a ira de Deus se levantou contra eles, e matou os mais fortes deles, e prostrou os escolhidos de Israel. 32 Com tudo isso ainda pecaram, e não creram nas suas maravilhas. 33 Pelo que consumiu os seus dias como um sopo, e os seus anos em repentino terror. 34 Quando ele os fazia morrer, então o procuravam; arrependiam-se, e de madrugada buscavam a Deus. 35 Lembravam-se de que Deus era a sua rocha, e o Deus Altíssimo o seu Redentor. 36 Todavia lisonjeavam-no com a boca, e com a língua lhe mentiam. 37 Pois o coração deles não era constante para com ele, nem foram eles fiéis ao seu pacto. 38 Mas ele, sendo compassivo, perdoou a sua iniqüidade, e não os destruiu; antes muitas vezes desviou deles a sua cólera, e não acendeu todo o seu furor. 39 Porque se lembrou de que eram carne, um vento que passa e não volta. 40 Quantas vezes se rebelaram contra ele no deserto, e o ofenderam no ermo! 41 Voltaram atrás, e tentaram a Deus; e provocaram o Santo de Israel. 42 Não se lembraram do seu poder, nem do dia em que os remiu do adversário, 43 nem de como operou os seus sinais no Egito, e as suas maravilhas no campo de Zoã, 44 convertendo em sangue os seus rios, para que não pudessem beber das suas correntes. 45 Também lhes mandou enxames de moscas que os consumiram, e rãs que os destruíram. 46 Entregou �s lagartas as novidades deles, e o fruto do seu trabalho aos gafanhotos. 47 Destruiu as suas vinhas com saraiva, e os seus sicômoros com chuva de pedra. 48 Também entregou � saraiva o gado deles, e aos coriscos os seus rebanhos. 49 E atirou sobre eles o ardor da sua ira, o furor, a indignação, e a angústia, qual companhia de anjos destruidores. 50 Deu livre curso � sua ira; não os poupou da morte, mas entregou a vida deles � pestilência. 51 Feriu todo primogênito no Egito, primícias da força deles nas tendas de Cão. 52 Mas fez sair o seu povo como ovelhas, e os guiou pelo deserto como a um rebanho. 53 Guiou-os com segurança, de sorte que eles não temeram; mas aos seus inimigos, o mar os submergiu. 54 Sim, conduziu-os até a sua fronteira santa, até o monte que a sua destra adquirira. 55 Expulsou as nações de diante deles; e dividindo suas terras por herança, fez habitar em suas tendas as tribos de Israel. 56 Contudo tentaram e provocaram o Deus Altíssimo, e não guardaram os seus testemunhos. 57 Mas tornaram atrás, e portaram-se aleivosamente como seus pais; desviaram-se como um arco traiçoeiro. 58 Pois o provocaram � ira com os seus altos, e o incitaram a zelos com as suas imagens esculpidas. 59 Ao ouvir isso, Deus se indignou, e sobremodo abominou a Israel. 60 Pelo que desamparou o tabernáculo em Siló, a tenda da sua morada entre os homens, 61 dando a sua força ao cativeiro, e a sua glória � mão do inimigo. 62 Entregou o seu povo � espada, e encolerizou-se contra a sua herança. 63 Aos seus mancebos o fogo devorou, e suas donzelas não tiveram cântico nupcial. 64 Os seus sacerdotes caíram � espada, e suas viúvas não fizeram pranto. 65 Então o Senhor despertou como dum sono, como um valente que o vinho excitasse. 66 E fez recuar a golpes os seus adversários; infligiu-lhes eterna ignomínia. 67 Além disso, rejeitou a tenda de José, e não escolheu a tribo de Efraim; 68 antes escolheu a tribo de Judá, o monte Sião, que ele amava. 69 Edificou o seu santuário como os lugares elevados, como a terra que fundou para sempre. 70 Também escolheu a Davi, seu servo, e o tirou dos apriscos das ovelhas; 71 de após as ovelhas e suas crias o trouxe, para apascentar a Jacó, seu povo, e a Israel, sua herança. 72 E ele os apascentou, segundo a integridade do seu coração, e os guiou com a perícia de suas mãos.
1 Irmãos, o bom desejo do meu coração e a minha súplica a Deus por Israel é para sua salvação. 2 Porque lhes dou testemunho de que têm zelo por Deus, mas não com entendimento. 3 Porquanto, não conhecendo a justiça de Deus, e procurando estabelecer a sua própria, não se sujeitaram � justiça de Deus. 4 Pois Cristo é o fim da lei para justificar a todo aquele que crê. 5 Porque Moisés escreve que o homem que pratica a justiça que vem da lei viverá por ela. 6 Mas a justiça que vem da fé diz assim: Não digas em teu coração: Quem subirá ao céu? (isto é, a trazer do alto a Cristo;) 7 ou: Quem descerá ao abismo? (isto é, a fazer subir a Cristo dentre os mortos). 8 Mas que diz? A palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração; isto é, a palavra da fé, que pregamos. 9 Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo; 10 pois é com o coração que se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação. 11 Porque a Escritura diz: Ninguém que nele crê será confundido. 12 Porquanto não há distinção entre judeu e grego; porque o mesmo Senhor o é de todos, rico para com todos os que o invocam. 13 Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. 14 Como pois invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram falar? e como ouvirão, se não há quem pregue? 15 E como pregarão, se não forem enviados? assim como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam coisas boas! 16 Mas nem todos deram ouvidos ao evangelho; pois Isaías diz: Senhor, quem deu crédito � nossa mensagem? 17 Logo a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo. 18 Mas pergunto: Porventura não ouviram? Sim, por certo: Por toda a terra saiu a voz deles, e as suas palavras até os confins do mundo. 19 Mas pergunto ainda: Porventura Israel não o soube? Primeiro diz Moisés: Eu vos porei em ciúmes com aqueles que não são povo, com um povo insensato vos provocarei � ira. 20 E Isaías ousou dizer: Fui achado pelos que não me buscavam, manifestei-me aos que por mim não perguntavam. 21 Quanto a Israel, porém, diz: Todo o dia estendi as minhas mãos a um povo rebelde e contradizente.