Salmos 94; Salmos 95; Salmos 96; Romanos 15:14-33

1 Ó Senhor, Deus da vingança, ó Deus da vingança, resplandece! 2 Exalta-te, ó juiz da terra! dá aos soberbos o que merecem. 3 Até quando os ímpios, Senhor, até quando os ímpios exultarão? 4 Até quando falarão, dizendo coisas arrogantes, e se gloriarão todos os que praticam a iniqüidade? 5 Esmagam o teu povo, ó Senhor, e afligem a tua herança. 6 Matam a viúva e o estrangeiro, e tiram a vida ao órfão. 7 E dizem: O Senhor não vê; o Deus de Jacó não o percebe. 8 Atendei, ó néscios, dentre o povo; e vós, insensatos, quando haveis de ser sábios? 9 Aquele que fez ouvido, não ouvirá? ou aquele que formou o olho, não verá? 10 Porventura aquele que disciplina as nações, não corrigirá? Aquele que instrui o homem no conhecimento, 11 o Senhor, conhece os pensamentos do homem, que são vaidade. 12 Bem-aventurado é o homem a quem tu repreendes, ó Senhor, e a quem ensinas a tua lei, 13 para lhe dares descanso dos dias da adversidade, até que se abra uma cova para o ímpio. 14 Pois o Senhor não rejeitará o seu povo, nem desamparará a sua herança. 15 Mas o juízo voltará a ser feito com justiça, e hão de segui-lo todos os retos de coração. 16 Quem se levantará por mim contra os malfeitores? quem se porá ao meu lado contra os que praticam a iniqüidade? 17 Se o Senhor não tivesse sido o meu auxílio, já a minha alma estaria habitando no lugar do silêncio. 18 Quando eu disse: O meu pé resvala; a tua benignidade, Senhor, me susteve. 19 Quando os cuidados do meu coração se multiplicam, as tuas consolações recreiam a minha alma. 20 Pode acaso associar-se contigo o trono de iniqüidade, que forja o mal tendo a lei por pretexto? 21 Acorrem em tropel contra a vida do justo, e condenam o sangue inocente. 22 Mas o Senhor tem sido o meu alto retiro, e o meu Deus a rocha do meu alto retiro, e o meu Deus a rocha do meu refúgio. 23 Ele fará recair sobre eles a sua própria iniqüidade, e os destruirá na sua própria malícia; o Senhor nosso Deus os destruirá.
1 Vinde, cantemos alegremente ao Senhor, cantemos com júbilo � rocha da nossa salvação. 2 Apresentemo-nos diante dele com ações de graças, e celebremo-lo com salmos de louvor. 3 Porque o Senhor é Deus grande, e Rei grande acima de todos os deuses. 4 Nas suas mãos estão as profundezas da terra, e as alturas dos montes são suas. 5 Seu é o mar, pois ele o fez, e as suas mãos formaram a serra terra seca. 6 Oh, vinde, adoremos e prostremo-nos; ajoelhemos diante do Senhor, que nos criou. 7 Porque ele é o nosso Deus, e nós povo do seu pasto e ovelhas que ele conduz. Oxalá que hoje ouvísseis a sua voz: 8 Não endureçais o vosso coração como em Meribá, como no dia de Massá no deserto, 9 quando vossos pais me tentaram, me provaram e viram a minha obra. 10 Durante quarenta anos estive irritado com aquela geração, e disse: É um povo que erra de coração, e não conhece os meus caminhos; 11 por isso jurei na minha ira: Eles não entrarão no meu descanso.
1 Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao Senhor, todos os moradores da terra. 2 Cantai ao Senhor, bendizei o seu nome; anunciai de dia em dia a sua salvação. 3 Anunciai entre as nações a sua glória, entre todos os povos as suas maravilhas. 4 Porque grande é o Senhor, e digno de ser louvado; ele é mais temível do que todos os deuses. 5 Porque todos os deuses dos povos são ídolos; mas o Senhor fez os céus. 6 Glória e majestade estão diante dele, força e formosura no seu santuário. 7 Tributai ao Senhor, ó famílias dos povos, tributai ao Senhor glória e força. 8 Tributai ao Senhor a glória devida ao seu nome; trazei oferendas, e entrai nos seus átrios. 9 Adorai ao Senhor vestidos de trajes santos; tremei diante dele, todos os habitantes da terra. 10 Dizei entre as nações: O Senhor reina; ele firmou o mundo, de modo que não pode ser abalado. Ele julgará os povos com retidão. 11 Alegrem-se os céus, e regozije-se a terra; brame o mar e a sua plenitude. 12 Exulte o campo, e tudo o que nele há; então cantarão de júbilo todas as árvores do bosque 13 diante do Senhor, porque ele vem, porque vem julgar a terra: julgará o mundo com justiça e os povos com a sua fidelidade.
14 Eu, da minha parte, irmãos meus, estou persuadido a vosso respeito, que vós já estais cheios de bondade, cheios de todo o conhecimento e capazes, vós mesmos, de admoestar-vos uns aos outros. 15 Mas em parte vos escrevo mais ousadamente, como para vos trazer outra vez isto � memória, por causa da graça que por Deus me foi dada, 16 para ser ministro de Cristo Jesus entre os gentios, ministrando o evangelho de Deus, para que sejam aceitáveis os gentios como oferta, santificada pelo Espírito Santo. 17 Tenho, portanto, motivo para me gloriar em Cristo Jesus, nas coisas concernentes a Deus; 18 porque não ousarei falar de coisa alguma senão daquilo que Cristo por meu intermédio tem feito, para obediência da parte dos gentios, por palavra e por obras, 19 pelo poder de sinais e prodígios, no poder do Espírito Santo; de modo que desde Jerusalém e arredores, até a Ilíria, tenho divulgado o evangelho de Cristo; 20 deste modo esforçando-me por anunciar o evangelho, não onde Cristo houvera sido nomeado, para não edificar sobre fundamento alheio; 21 antes, como está escrito: Aqueles a quem não foi anunciado, o verão; e os que não ouviram, entenderão. 22 Pelo que também muitas vezes tenho sido impedido de ir ter convosco; 23 mas agora, não tendo mais o que me detenha nestas regiões, e tendo já há muitos anos grande desejo de ir visitar-vos, 24 eu o farei quando for � Espanha; pois espero ver-vos de passagem e por vós ser encaminhado para lá, depois de ter gozado um pouco da vossa companhia. 25 Mas agora vou a Jerusalém para ministrar aos santos. 26 Porque pareceu bem � Macedônia e � Acaia levantar uma oferta fraternal para os pobres dentre os santos que estão em Jerusalém. 27 Isto pois lhes pareceu bem, como devedores que são para com eles. Porque, se os gentios foram participantes das bênçãos espirituais dos judeus, devem também servir a estes com as materiais. 28 Tendo, pois, concluído isto, e havendo-lhes consignado este fruto, de lá, passando por vós, irei � Espanha. 29 E bem sei que, quando for visitar-vos, chegarei na plenitude da bênção de Cristo. 30 Rogo-vos, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito, que luteis juntamente comigo nas vossas orações por mim a Deus, 31 para que eu seja livre dos rebeldes que estão na Judéia, e que este meu ministério em Jerusalém seja aceitável aos santos; 32 a fim de que, pela vontade de Deus, eu chegue até vós com alegria, e possa entre vós recobrar as forças. 33 E o Deus de paz seja com todos vós. Amém.