1 Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores; 2 antes tem seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e noite. 3 Pois será como a árvore plantada junto �s correntes de águas, a qual dá o seu fruto na estação própria, e cuja folha não cai; e tudo quanto fizer prosperará. 4 Não são assim os ímpios, mas são semelhantes � moinha que o vento espalha. 5 Pelo que os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos; 6 porque o Senhor conhece o caminho dos justos, mas o caminho dos ímpios conduz � ruína.
1 Por que se amotinam as nações, e os povos tramam em vão? 2 Os reis da terra se levantam, e os príncipes juntos conspiram contra o Senhor e contra o seu ungido, dizendo: 3 Rompamos as suas ataduras, e sacudamos de nós as suas cordas. 4 Aquele que está sentado nos céus se rirá; o Senhor zombará deles. 5 Então lhes falará na sua ira, e no seu furor os confundirá, dizendo: 6 Eu tenho estabelecido o meu Rei sobre Sião, meu santo monte. 7 Falarei do decreto do Senhor; ele me disse: Tu és meu Filho, hoje te gerei. 8 Pede-me, e eu te darei as nações por herança, e as extremidades da terra por possessão. 9 Tu os quebrarás com uma vara de ferro; tu os despedaçarás como a um vaso de oleiro. 10 Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos instruir, juízes da terra. 11 Servi ao Senhor com temor, e regozijai-vos com tremor. 12 Beijai o Filho, para que não se ire, e pereçais no caminho; porque em breve se inflamará a sua ira. Bem-aventurados todos aqueles que nele confiam.
1 Quem, Senhor, habitará na tua tenda? quem morará no teu santo monte? 2 Aquele que anda irrepreensivelmente e pratica a justiça, e do coração fala a verdade; 3 que não difama com a sua língua, nem faz o mal ao seu próximo, nem contra ele aceita nenhuma afronta; 4 aquele a cujos olhos o réprobo é desprezado, mas que honra os que temem ao Senhor; aquele que, embora jure com dano seu, não muda; 5 que não empresta o seu dinheiro a juros, nem recebe peitas contra o inocente. Aquele que assim procede nunca será abalado.
1 Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? por que estás afastado de me auxiliar, e das palavras do meu bramido? 2 Deus meu, eu clamo de dia, porém tu não me ouves; também de noite, mas não acho sossego. 3 Contudo tu és santo, entronizado sobre os louvores de Israel. 4 Em ti confiaram nossos pais; confiaram, e tu os livraste. 5 A ti clamaram, e foram salvos; em ti confiaram, e não foram confundidos. 6 Mas eu sou verme, e não homem; opróbrio dos homens e desprezado do povo. 7 Todos os que me vêem zombam de mim, arreganham os beiços e meneiam a cabeça, dizendo: 8 Confiou no Senhor; que ele o livre; que ele o salve, pois que nele tem prazer. 9 Mas tu és o que me tiraste da madre; o que me preservaste, estando eu ainda aos seios de minha mãe. 10 Nos teus braços fui lançado desde a madre; tu és o meu Deus desde o ventre de minha mãe. 11 Não te alongues de mim, pois a angústia está perto, e não há quem acuda. 12 Muitos touros me cercam; fortes touros de Basã me rodeiam. 13 Abrem contra mim sua boca, como um leão que despedaça e que ruge. 14 Como água me derramei, e todos os meus ossos se desconjuntaram; o meu coração é como cera, derreteu-se no meio das minhas entranhas. 15 A minha força secou-se como um caco e a língua se me pega ao paladar; tu me puseste no pó da morte. 16 Pois cães me rodeiam; um ajuntamento de malfeitores me cerca; transpassaram-me as mãos e os pés. 17 Posso contar todos os meus ossos. Eles me olham e ficam a mirar-me. 18 Repartem entre si as minhas vestes, e sobre a minha túnica lançam sortes. 19 Mas tu, Senhor, não te alongues de mim; força minha, apressa-te em socorrer-me. 20 Livra-me da espada, e a minha vida do poder do cão. 21 Salva-me da boca do leão, sim, livra-me dos chifres do boi selvagem. 22 Então anunciarei o teu nome aos meus irmãos; louvar-te-ei no meio da congregação. 23 Vós, que temeis ao Senhor, louvai-o; todos vós, filhos de Jacó, glorificai-o; temei-o todos vós, descendência de Israel. 24 Porque não desprezou nem abominou a aflição do aflito, nem dele escondeu o seu rosto; antes, quando ele clamou, o ouviu. 25 De ti vem o meu louvor na grande congregação; pagarei os meus votos perante os que o temem. 26 Os mansos comerão e se fartarão; louvarão ao Senhor os que o buscam. Que o vosso coração viva eternamente! 27 Todos os limites da terra se lembrarão e se converterão ao Senhor, e diante dele adorarão todas as famílias das nações. 28 Porque o domínio é do Senhor, e ele reina sobre as nações. 29 Todos os grandes da terra comerão e adorarão, e todos os que descem ao pó se prostrarão perante ele, os que não podem reter a sua vida. 30 A posteridade o servirá; falar-se-á do Senhor � geração vindoura. 31 Chegarão e anunciarão a justiça dele; a um povo que há de nascer contarão o que ele fez.
1 O Senhor é o meu pastor; nada me faltará. 2 Deitar-me faz em pastos verdejantes; guia-me mansamente a águas tranqüilas. 3 Refrigera a minha alma; guia-me nas veredas da justiça por amor do seu nome. 4 Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam 5 Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos; unges com óleo a minha cabeça, o meu cálice transborda. 6 Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida, e habitarei na casa do Senhor por longos dias.
1 Do Senhor é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam. 2 Porque ele a fundou sobre os mares, e a firmou sobre os rios. 3 Quem subirá ao monte do Senhor, ou quem estará no seu lugar santo? 4 Aquele que é limpo de mãos e puro de coração; que não entrega a sua alma � vaidade, nem jura enganosamente. 5 Este receberá do Senhor uma bênção, e a justiça do Deus da sua salvação. 6 Tal é a geração daqueles que o buscam, daqueles que buscam a tua face, ó Deus de Jacó. 7 Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. 8 Quem é o Rei da Glória? O Senhor forte e poderoso, o Senhor poderoso na batalha. 9 Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. 10 Quem é esse Rei da Glória? O Senhor dos exércitos; ele é o Rei da Glória.
1 Batei palmas, todos os povos; aclamai a Deus com voz de júbilo. 2 Porque o Senhor Altíssimo é tremendo; é grande Rei sobre toda a terra. 3 Ele nos sujeitou povos e nações sob os nossos pés. 4 Escolheu para nós a nossa herança, a glória de Jacó, a quem amou. 5 Deus subiu entre aplausos, o Senhor subiu ao som de trombeta. 6 Cantai louvores a Deus, cantai louvores; cantai louvores ao nosso Rei, cantai louvores. 7 Pois Deus é o Rei de toda a terra; cantai louvores com salmo. 8 Deus reina sobre as nações; Deus está sentado sobre o seu santo trono. 9 Os príncipes dos povos se reúnem como povo do Deus de Abraão, porque a Deus pertencem os escudos da terra; ele é sumamente exaltado.
1 Levanta-se Deus! Sejam dispersos os seus inimigos; fujam de diante dele os que o odeiam! 2 Como é impelida a fumaça, assim tu os impeles; como a cera se derrete diante do fogo, assim pereçam os ímpios diante de Deus. 3 Mas alegrem-se os justos, e se regozijem na presença de Deus, e se encham de júbilo. 4 Cantai a Deus, cantai louvores ao seu nome; louvai aquele que cavalga sobre as nuvens, pois o seu nome é Já; exultai diante dele. 5 Pai de órfãos e juiz de viúvas é Deus na sua santa morada. 6 Deus faz que o solitário viva em família; liberta os presos e os faz prosperar; mas os rebeldes habitam em terra árida. 7 Ó Deus! quando saías � frente do teu povo, quando caminhavas pelo deserto, 8 a terra se abalava e os céus gotejavam perante a face de Deus; o próprio Sinai tremeu na presença de Deus, do Deus de Israel. 9 Tu, ó Deus, mandaste copiosa chuva; restauraste a tua herança, quando estava cansada. 10 Nela habitava o teu rebanho; da tua bondade, ó Deus, proveste o pobre. 11 O Senhor proclama a palavra; grande é a companhia dos que anunciam as boas-novas. 12 Reis de exércitos fogem, sim, fogem; as mulheres em casa repartem os despojos. 13 Deitados entre redis, sois como as asas da pomba cobertas de prata, com as suas penas de ouro amarelo. 14 Quando o Todo-Poderoso ali dispersou os reis, caiu neve em Zalmom. 15 Monte grandíssimo é o monte de Basã; monte de cimos numerosos é o monte de Basã! 16 Por que estás, ó monte de cimos numerosos, olhando com inveja o monte que Deus desejou para sua habitação? Na verdade o Senhor habitará nele eternamente. 17 Os carros de Deus são miríades, milhares de milhares. O Senhor está no meio deles, como em Sinai no santuário. 18 Tu subiste ao alto, levando os teus cativos; recebeste dons dentre os homens, e até dentre os rebeldes, para que o Senhor Deus habitasse entre eles. 19 Bendito seja o Senhor, que diariamente leva a nossa carga, o Deus que é a nossa salvação. 20 Deus é para nós um Deus de libertação; a Jeová, o Senhor, pertence o livramento da morte. 21 Mas Deus esmagará a cabeça de seus inimigos, o crânio cabeludo daquele que prossegue em suas culpas. 22 Disse o Senhor: Eu os farei voltar de Basã; fá-los-ei voltar das profundezas do mar; 23 para que mergulhes o teu pé em sangue, e para que a língua dos teus cães tenha dos inimigos o seu quinhão. 24 Viu-se, ó Deus, a tua entrada, a entrada do meu Deus, meu Rei, no santuário. 25 Iam na frente os cantores, atrás os tocadores de instrumentos, no meio as donzelas que tocavam adufes. 26 Bendizei a Deus nas congregações, ao Senhor, vós que sois da fonte de Israel. 27 Ali está Benjamim, o menor deles, na frente; os chefes de Judá com o seu ajuntamento; os chefes de Judá com o seu ajuntamento; os chefes de Zebulom e os chefes de Naftali. 28 Ordena, ó Deus, a tua força; confirma, ó Deus, o que já fizeste por nós. 29 Por amor do teu templo em Jerusalém, os reis te trarão presentes. 30 Repreende as feras dos caniçais, a multidão dos touros, com os bezerros dos povos. Calca aos pés as suas peças de prata; dissípa os povos que se deleitam na guerra. 31 Venham embaixadores do Egito; estenda a Etiópia ansiosamente as mãos para Deus. 32 Reinos da terra, cantai a Deus, cantai louvores ao Senhor, 33 �quele que vai montado sobre os céus dos céus, que são desde a antigüidade; eis que faz ouvir a sua voz, voz veemente. 34 Atribuí a Deus força; sobre Israel está a sua excelência, e a sua força nos firmamento. 35 Ó Deus, tu és tremendo desde o teu santuário; o Deus de Israel, ele dá força e poder ao seu povo. Bendito seja Deus!