Salmos 80; Salmos 81; Salmos 82; Salmos 83; Salmos 84; Salmos 85

1 Ó pastor de Israel, dá ouvidos; tu, que guias a José como a um rebanho, que estás entronizado sobre os querubins, resplandece. 2 Perante Efraim, Benjamim e Manassés, desperta o teu poder, e vem salvar-nos. 3 Reabilita-nos, ó Deus; faze resplandecer o teu rosto, para que sejamos salvos. 4 Ó Senhor Deus dos exércitos, até quando te indignarás contra a oração do teu povo? 5 Tu os alimentaste com pão de lágrimas, e lhes deste a beber lágrimas em abundância. 6 Tu nos fazes objeto de escárnio entre os nossos vizinhos; e os nossos inimigos zombam de nós entre si. 7 Reabilita-nos, ó Deus dos exércitos; faze resplandecer o teu rosto, para que sejamos salvos. 8 Trouxeste do Egito uma videira; lançaste fora as nações, e a plantaste. 9 Preparaste-lhe lugar; e ela deitou profundas raízes, e encheu a terra. 10 Os montes cobriram-se com a sua sombra, e os cedros de Deus com os seus ramos. 11 Ela estendeu a sua ramagem até o mar, e os seus rebentos até o Rio. 12 Por que lhe derrubaste as cercas, de modo que a vindimam todos os que passam pelo caminho? 13 O javali da selva a devasta, e as feras do campo alimentam-se dela. 14 Ó Deus dos exércitos, volta-te, nós te rogamos; atende do céu, e vê, e visita esta videira, 15 a videira que a tua destra plantou, e o sarmento que fortificaste para ti. 16 Está queimada pelo fogo, está cortada; eles perecem pela repreensão do teu rosto. 17 Seja a tua mão sobre o varão da tua destra, sobre o filho do homem que fortificaste para ti. 18 E não nos afastaremos de ti; vivifica-nos, e nós invocaremos o teu nome. 19 Reabilita-nos, Senhor Deus dos exércitos; faze resplandecer o teu rosto, para que sejamos salvos.
1 Cantai alegremente a Deus, nossa fortaleza; erguei alegres vozes ao Deus de Jacó. 2 Entoai um salmo, e fazei soar o adufe, a suave harpa e o saltério. 3 Tocai a trombeta pela lua nova, pela lua cheia, no dia da nossa festa. 4 Pois isso é um estatuto para Israel, e uma ordenança do Deus de Jacó. 5 Ordenou-o por decreto em José, quando saiu contra a terra do Egito. Ouvi uma voz que não conhecia, dizendo: 6 Livrei da carga o seu ombro; as suas mãos ficaram livres dos cestos. 7 Na angústia clamaste e te livrei; respondi-te no lugar oculto dos trovões; provei-te junto �s águas de Meribá. 8 Ouve-me, povo meu, e eu te admoestarei; ó Israel, se me escutasses! 9 não haverá em ti deus estranho, nem te prostrarás ante um deus estrangeiro. 10 Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito; abre bem a tua boca, e eu a encherei. 11 Mas o meu povo não ouviu a minha voz, e Israel não me quis. 12 Pelo que eu os entreguei � obstinação dos seus corações, para que andassem segundo os seus próprios conselhos. 13 Oxalá me escutasse o meu povo! oxalá Israel andasse nos meus caminhos! 14 Em breve eu abateria os seus inimigos, e voltaria a minha mão contra os seus adversários. 15 Os que odeiam ao Senhor o adulariam, e a sorte deles seria eterna. 16 E eu te sustentaria com o trigo mais fino; e com o mel saído da rocha eu te saciaria.
1 Deus está na assembléia divina; julga no meio dos deuses: 2 Até quando julgareis injustamente, e tereis respeito �s pessoas dos ímpios? 3 Fazei justiça ao pobre e ao órfão; procedei retamente com o aflito e o desamparado. 4 Livrai o pobre e o necessitado, livrai-os das mãos dos ímpios. 5 Eles nada sabem, nem entendem; andam vagueando �s escuras; abalam-se todos os fundamentos da terra. 6 Eu disse: Vós sois deuses, e filhos do Altíssimo, todos vós. 7 Todavia, como homens, haveis de morrer e, como qualquer dos príncipes, haveis de cair. 8 Levanta-te, ó Deus, julga a terra; pois a ti pertencem todas as nações.
1 Ó Deus, não guardes silêncio; não te cales nem fiques impassível, ó Deus. 2 Pois eis que teus inimigos se alvoroçam, e os que te odeiam levantam a cabeça. 3 Astutamente formam conselho contra o teu povo, e conspiram contra os teus protegidos. 4 Dizem eles: Vinde, e apaguemo-los para que não sejam nação, nem seja lembrado mais o nome de Israel. 5 Pois � uma se conluiam; aliam-se contra ti 6 as tendas de Edom e os ismaelitas, Moabe e os hagarenos, 7 Gebal, Amom e Amaleque, e a Filístia com os habitantes de tiro. 8 Também a Assíria se ligou a eles; eles são o braço forte dos filhos de Ló. 9 Faze-lhes como fizeste a Midiã, como a Sísera, como a Jabim junto ao rio Quisom, 10 os quais foram destruídos em En-Dor; tornaram-se esterco para a terra. 11 Faze aos seus nobres como a Orebe e a Zeebe; e a todos os seus príncipes como a Zebá e a Zalmuna, 12 que disseram: Tomemos para nós as pastagens de Deus. 13 Deus meu, faze-os como um turbilhão de pó, como a palha diante do vento. 14 Como o fogo queima um bosque, e como a chama incedeia as montanhas, 15 assim persegue-os com a tua tempestade, e assombra-os com o teu furacão. 16 Cobre-lhes o rosto de confusão, de modo que busquem o teu nome, Senhor. 17 Sejam envergonhados e conturbados perpetuamente; sejam confundidos, e pereçam, 18 para que saibam que só tu, cujo nome é o Senhor, és o Altíssimo sobre toda a terra.
1 Quão amável são os teus tabernáculos, ó Senhor dos exércitos! 2 A minha alma suspira! sim, desfalece pelos átrios do Senhor; o meu coração e a minha carne clamam pelo Deus vivo. 3 Até o pardal encontrou casa, e a andorinha ninho para si, onde crie os seus filhotes, junto aos teus altares, ó Senhor dos exércitos, Rei meu e Deus meu. 4 Bem-aventurados os que habitam em tua casa; louvar-te-ão continuamente. 5 Bem-aventurados os homens cuja força está em ti, em cujo coração os caminhos altos. 6 Passando pelo vale de Baca, fazem dele um lugar de fontes; e a primeira chuva o cobre de bênçãos. 7 Vão sempre aumentando de força; cada um deles aparece perante Deus em Sião. 8 Senhor Deus dos exércitos, escuta a minha oração; inclina os ouvidos, ó Deus de Jacó! 9 Olha, ó Deus, escudo nosso, e contempla o rosto do teu ungido. 10 Porque vale mais um dia nos teus átrios do que em outra parte mil. Preferiria estar � porta da casa do meu Deus, a habitar nas tendas da perversidade. 11 Porquanto o Senhor Deus é sol e escudo; o Senhor dará graça e glória; não negará bem algum aos que andam na retidão. 12 Ó Senhor dos exércitos, bem-aventurado o homem que em ti põe a sua confiança.
1 Mostraste favor, Senhor, � tua terra; fizeste regressar os cativos de Jacó. 2 Perdoaste a iniqüidade do teu povo; cobriste todos os seus pecados. 3 Retraíste toda a tua cólera; refreaste o ardor da tua ira. 4 Restabelece-nos, ó Deus da nossa salvação, e faze cessar a tua indignação contra nós. 5 Estarás para sempre irado contra nós? estenderás a tua ira a todas as gerações? 6 Não tornarás a vivificar-nos, para que o teu povo se regozije em ti? 7 Mostra-nos, Senhor, a tua benignidade, e concede-nos a tua salvação. 8 Escutarei o que Deus, o Senhor, disser; porque falará de paz ao seu povo, e aos seus santos, contanto que não voltem � insensatez. 9 Certamente que a sua salvação está perto aqueles que o temem, para que a glória habite em nossa terra. 10 A benignidade e a fidelidade se encontraram; a justiça e a paz se beijaram. 11 A fidelidade brota da terra, e a justiça olha desde o céu. 12 O Senhor dará o que é bom, e a nossa terra produzirá o seu fruto. 13 A justiça irá adiante dele, marcando o caminho com as suas pegadas.
California - Do Not Sell My Personal Information  California - CCPA Notice