Lamentações de Jeremias 2

1 O Senhor cobriu a cidade de Siãocom a nuvem da sua ira!Lançou por terra o esplendor de Israel,que se elevava para os céus;não se lembrou do estrado dos seus pésno dia da sua ira.
2 Sem piedade o Senhor devoroutodas as habitações de Jacó;em sua ira destruiu as fortalezasda filha de Judá.Derrubou ao chão e desonrouo seu reino e os seus líderes.
3 Em sua flamejante ira,cortou todo o podera de Israel.Retirou a sua mão direitadiante da aproximação do inimigo.Queimou Jacó como um fogo ardenteque consome tudo ao redor.
4 Como um inimigo, preparou o seu arco;como um adversário,a sua mão direita está pronta.Ele massacrou tudo o que era agradável contemplar;derramou sua ira como fogosobre a tenda da cidade de Sião.
5 O Senhor é como um inimigo;ele tem devorado Israel.Tem devorado todos os seus paláciose destruído as suas fortalezas.Tem feito multiplicar os prantose as lamentações da filha de Judá.
6 Ele destroçou a sua morada como se fosse um simples jardim;destruiu o seu local de reuniões.O SENHOR fez esquecidas em Siãosuas festas fixas e seus sábados;em seu grande furorrejeitou o rei e o sacerdote.
7 O Senhor rejeitou o seu altar eabandonou o seu santuário.Entregou aos inimigosos muros dos seus palácios,e eles deram gritos na casa do SENHOR,como fazíamos nos dias de festa.
8 O SENHOR está decididoa derrubar os muros da cidade de Sião.Esticou a trena enão poupou a sua mão destruidora.Fez com que os muros e as paredes se lamentassem;juntos eles desmoronaram.
9 Suas portas caíram por terra;suas trancas ele quebrou e destruiu.O seu rei e os seus líderes foram exilados para diferentes nações,e a lei já não existe;seus profetas já não recebemvisões do SENHOR.
10 Os líderes da cidade de Siãosentam-se no chão em silêncio;despejam pó sobre a cabeçae usam vestes de lamento.As moças de Jerusaléminclinam a cabeça até o chão.
11 Meus olhos estão cansados de chorar,minha alma está atormentada,meu coração se derrama,porque o meu povo está destruído,porque crianças e bebês desmaiampelas ruas da cidade.
12 Eles clamam às suas mães:“Onde estão o pão e o vinho?”Ao mesmo tempo em que desmaiampelas ruas da cidade, como os feridos,e suas vidas se desvanecemnos braços de suas mães.
13 Que posso dizer a seu favor?Com que posso compará-la,ó cidade de Jerusalém?Com que posso assemelhá-la,a fim de trazer-lhe consolo,ó virgem, ó cidade de Sião?Sua ferida é tão profunda quanto o oceano;quem pode curá-la?
14 As visões dos seus profetaseram falsas e inúteis;eles não expuseram o seu pecadopara evitar o seu cativeiro.As mensagens que eles lhe derameram falsas e enganosas.
15 Todos os que cruzam o seu caminhobatem palmas;eles zombam e meneiam a cabeçadiante da cidade de Jerusalém:“É esta a cidade que era chamadaa perfeição da beleza,a alegria de toda a terra?”
16 Todos os seus inimigosescancaram a boca contra você;eles zombam, rangem os dentese dizem: “Nós a devoramos.Este é o dia que esperávamos;e eis que vivemos até vê-lo chegar!”
17 O SENHOR fez o que planejou;cumpriu a sua palavra,que há muito havia decretado.Derrubou tudo sem piedade,permitiu que o inimigo zombasse de você,exaltou o poder dos seus adversários.
18 O coração do povoclama ao Senhor.Ó muro da cidade de Sião,corram como um rioas suas lágrimas dia e noite;não se permita nenhum descansonem dê repouso à menina dos seus olhos.
19 Levante-se, grite no meio da noite,quando começam as vigílias noturnas;derrame o seu coração como águana presença do Senhor.Levante para ele as mãosem favor da vida de seus filhos,que desmaiam de fomenas esquinas de todas as ruas.
20 “Olha, SENHOR, e considera:A quem trataste dessa maneira?Deverão as mulheres comer seus próprios filhos,que elas criaram com tanto amor?Deverão os profetas e os sacerdotesser assassinados no santuário do Senhor?
21 “Jovens e velhos espalham-seem meio ao pó das ruas;meus jovens e minhas virgenscaíram mortos à espada.Tu os sacrificaste no dia da tua ira;tu os mataste sem piedade.
22 “Como se faz convocação para um dia de festa,convocaste contra mim terrores por todos os lados.No dia da ira do SENHOR,ninguém escapou nem sobreviveu;aqueles dos quais eu cuidava e que eu fiz crescer,o meu inimigo destruiu”.